O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Cuiabá, Domingo, 19 de Novembro de 2017

Curta nosso Facebook

Galerias em Destaque

Vídeos em Destaque

Publicidade

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias em Destaque

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS SOBRE O AUXILIO FARDAMENTO


A Associação dos Oficiais da Polícia e Bombeiro Militar de Mato Grosso (ASSOF) vem a público prestar informações à sociedade Mato-grossense sobre a instauração de um inquérito por parte do Ministério Público para apurar eventuais pagamentos de auxilio fardamento aos policiais e bombeiros militares.

Antes de adentrarmos propriamente na questão do direito ao recebimento da verba para aquisição de fardamento, gostaríamos de destacar que o fardamento está para um policial militar, que realiza o policiamento ostensivo e precisa ser identificado para atuar de maneira preventiva, da mesma forma que a toga está para o magistrado, o avental para um cozinheiro e o jaleco branco para o médico.

No caso do bombeiro que realiza o salvamento em ambientes em chamas, a farda serve ainda como equipamento de proteção e de localização dada a baixa visibilidade, portanto, não estamos aqui falando de um luxo ou de uma mera regalia de policiais e bombeiros, más sim, de um instrumento de trabalho e extremamente necessário, dada a atividade que desempenhamos.

Diante desses apontamentos iniciais, esclarecemos que desde o ano de 2013 o Governo do Estado não adquire fardamentos e demais equipamentos para os PMs e BMs, e tudo isso vem acarretando onerosa aquisição desses uniformes com recursos próprios por parte dos militares, a fim de que não haja solução de continuidade de nossas atividades.

Destacamos que até o ano de 2013, mesmo que de forma precária, o governo realizava as licitações e fazia a entrega dos quites de uniformes para os Cabos e Soldados e paralelamente, promovia o pagamento de quatro em quatro anos, do auxílio fardamento para os sargentos, subtenentes e Oficiais.

Em 2016 com o advento do novo estatuto dos militares ficou avençado que anualmente o governo deveria realizar a entrega de um quite de uniforme contendo 03 conjuntos operacionais e 01 conjunto de representação para todos os policiais militares e bombeiros militares e caso isso não fosse realizado até o mês de novembro, o militar passaria a fazer jus a uma indenização por ter suportado com suas próprias condições a aquisição de seu fardamento.

Apesar do Ministério Público ter instaurado inquérito para investigar por que o governo não adquiriu os fardamentos e por isso estaria obrigado a pagar indenização a todos os militares pela compra dos uniformes, a Associação dos Oficiais gostaria de informar que em 2016 foi gerado o direito a indenização mas até agora o governo não pagou o auxílio fardamento e neste ano (2017), estamos nos aproximando da data limite para recebimento dos uniformes (30 de novembro) e pelo visto, mais uma vez não receberemos as fardas e por isso, teremos que arcar com a aquisição.

A ASSOF vê com bons olhos a investigação do Ministério Público referente a aquisição de nossos fardamentos, até porque, sabemos e temos a convicção que o desejo dos policiais e bombeiros é receber o fardamento dentro do prazo e nas condições previstas nas normas, pois nenhum militar quer sofrer sanções disciplinares por desrespeitar o regulamento da instituição.

Entretanto vamos lutar até as últimas instancias para garantir o recebimento do auxílio fardamento de 2014, 2015 e 2016 e se for o caso de 2017, pois não fomos os responsáveis pela licitação e aquisição dos uniformes e por isso, não seria justo termos que arcar sozinhos com os custos que fomos obrigados a suportar para adquirirmos os uniformes e nos manter em condições de trabalhar.

Por fim, não poderíamos perder a oportunidade de pedir ao Ministério Público Estadual que adote o mesmo zelo que vem demonstrando com os nossos fardamentos, com as verbas que integrantes de algumas carreiras jurídicas do Estado recebem para pagar moradia, comprar ternos e livros ou pagar creches para seus dependentes. Este pedido é feito, tendo em vista, a sociedade não suporta mais ter que arcar com os altos custos da máquina pública.

Data: 31/10/2017
Fonte: Tenente Coronel PM Wanderson Nunes de Siqueira - Presidente da ASSOF
Efetue seu Comentário nos campos abaixo:
Seu Nome: Campo Obrigatório
Seu e-mail: Campo ObrigatórioFormato Inválido
Seu Comentário:
Campo Obrigatório
CAPTCHA Image
Recarregue a imagem
 
Comentário(s)
   
Av. Dr. Hélio Ponce de Arruda s/nº, Centro Político Administrativo, CEP: 78055-007, Cuiabá - Mato Grosso, Brasil, Fone / Fax: (65) 3644-3344.
Corpyright© 2012 - Todos os direitos Reservados. SITES EM CUIABÁ VILLASBOASWEB.